Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*

Dólar sobe para R$ 5,20 e fecha no maior nível em 11 dias

Influenciado pelo mercado interno, o dólar voltou a ultrapassar a barreira de R$ 5,20 e fechou hoje (20) no maior nível em 11 dias. A bolsa de valores (B3) caiu pela primeira vez após três altas seguidas, mas fechou a semana com ganhos.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira vendido a R$ 5,208, com alta de R$ 0,037 (+0,72%). A cotação operou em alta durante quase toda a sessão, atingindo R$ 5,24 na máxima do dia, por volta das 10h30. Ao longo da tarde, a moeda desacelerou, mas ainda fechou em alta.

A divisa fechou a semana com alta de 1,98% e está no nível mais alto desde o último dia 9. Apesar do ganho semanal, o dólar acumula queda de 1,36% em 2023.

No mercado de ações, o dia foi marcado por ajustes. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 112.041 pontos, com queda de 0,78%. Mesmo com o recuo de hoje, o indicador avançou 1% na semana. As ações de petroleiras e de mineradoras subiram, impulsionadas pela recuperação dos preços das commodities (bens primários com cotação internacional), mas ações de bancos caíram hoje.

Americanas em queda

As ações das Lojas Americanas, empresa que apresentou um pedido de recuperação judicial após a revelação de dívidas de até R$ 43 bilhões, caíram 29%. O papel, que valia cerca de R$ 12 até dez dias atrás, encerrou o dia cotado a R$ 0,79. A partir de segunda-feira (23), as ações da varejista deixarão de fazer parte de todos os índices da B3.

No Brasil, o mercado financeiro ainda está agindo sob reflexos de declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a atuação do Banco Central. Em entrevista na quarta-feira (18), ele criticou a autonomia do órgão e o regime de metas de inflação. Ontem (19), o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, negou que o governo pretenda reverter a autonomia do BC.

A alta do dólar no Brasil ocorreu na contramão do recuo perante as principais moedas internacionais. As bolsas norte-americanas fecharam em alta, impulsionadas principalmente pelas empresas de tecnologia.

* Com informações da agência Reuters

Source link

Dólar sobe para R$ 5,16, influenciado por Brasil e exterior


Após o alívio de ontem (17), o mercado financeiro teve um dia de tensão nesta quarta-feira (18). O dólar subiu mais de 1%, influenciado pelo Brasil e pelo exterior. O pessimismo no mercado internacional fez a bolsa reduzir os ganhos durante a tarde, mas não impediu a alta do índice Ibovespa.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,163, com alta de R$ 0,057 (+1,12%). A cotação operou em baixa durante a manhã, mas inverteu a tendência após declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em favor de uma correção da tabela do Imposto de Renda.

Apesar da valorização de hoje, a divisa acumula queda de 2,22% em 2023. Além dos fatores internos, a deterioração no mercado norte-americano durante a tarde contribuiu para a alta do dólar.

Ibovespa

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 112.228 pontos, com alta de 0,71%. O indicador chegou a subir 1,68% por volta das 12h15, mas desacelerou ao longo da tarde. O bom desempenho de bancos e de mineradoras, no entanto, impediram que o índice fechasse em queda. No caso das mineradoras, a reabertura da economia chinesa está aquecendo a demanda por metais.

No Brasil, as declarações de Lula de que estaria disposto a discutir, com a equipe econômica, o aumento da isenção da tabela do Imposto de Renda para R$ 5 mil foram mal recebidas pelos investidores, que receiam um déficit maior que o previsto para 2023. Ontem, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, havia declarado que a reforma do Imposto de Renda ficaria para o segundo semestre.

No mercado externo, a divulgação de quedas nas vendas no varejo e na produção industrial dos Estados Unidos aumentaram o receio de que a maior economia do planeta entre em recessão.

Paralelamente, dirigentes do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) voltaram a fazer comentários duros sobre a necessidade de controlar a inflação no país. As bolsas norte-americanas tiveram hoje as maiores quedas em mais de um mês.

*com informações da Reuters



Source link

Dólar tem pequena alta no dia seguinte a ato em Brasília

No dia seguinte ao atos na capital federal, o mercado financeiro teve reações limitadas. O dólar e a bolsa fecharam em pequena alta após as reações institucionais às depredações às sedes dos Três Poderes.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (9) vendido a R$ 5,258, com alta de R$ 0,021 (+0,41%). A cotação enfrentou momentos de volatilidade, chegando a R$ 5,31 na máxima do dia, por volta das 12h, mas desacelerou ao longo da tarde.

No mercado de ações, o dia também foi marcado por pequenas correções. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 109.130 pontos, com avanço de 0,15%. O indicador oscilou bastante, alternando altas e baixas, mas conseguiu firmar a alta nos minutos finais de negociação.

Apesar da tensão em Brasília, os investidores entenderam que a reação forte das instituições democráticas e a prisão de cerca de 1,5 mil pessoas que ontem invadiram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal evitaram uma crise política maior. Isso limitou o avanço da moeda norte-americana.

No cenário internacional, a reversão de expectativas ao longo do dia influenciou as bolsas de valores. No início do dia, os investidores acreditavam que números divulgados na semana passada, como a desaceleração na criação de empregos nos Estados Unidos, reduziriam as chances de o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) manter os juros altos por longo tempo.

Durante a tarde, no entanto, a percepção se inverteu, fazendo as bolsas norte-americanas caírem. O mercado externo adverso fez a bolsa brasileira desacelerar no fim da tarde e quase anular os ganhos registrados ao longo da sessão.

*Com informações da Reuters

Source link

Dólar cai para R$ 5,23 e fecha no menor valor do ano


O mercado financeiro teve mais um dia de alívio, após a primeira reunião ministerial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a divulgação de dados econômicos nos Estados Unidos. O dólar teve forte queda e fechou no menor valor do ano. A bolsa de valores aproximou-se dos 109 mil pontos e praticamente zerou as perdas na semana.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (6) vendido a R$ 5,236, com recuo de R$ 0,116 (-2,16%). A cotação operou em queda durante toda a sessão, fechando na mínima do dia.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana está no menor nível desde 26 de dezembro. A divisa acumula queda de 0,79% na primeira semana de 2023. As fortes altas de segunda (2) e terça-feira (3) foram revertidas nos dois últimos pregões.

O mercado de ações também teve um dia de euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 108.964 pontos, com alta de 1,23%. Após cair para 104,1 mil pontos na quarta-feira (4), o indicador fechou a semana com recuo de apenas 0,7%.

Tanto fatores internos como externos beneficiaram o mercado financeiro. No cenário doméstico, as declarações do presidente Lula de que o governo terá o compromisso de reunificar o país e ter uma boa relação com o Congresso amenizou os ânimos, um dia após ministros recuarem de declarações de que pretendiam rever reformas adotadas nos últimos anos.

No exterior, as bolsas norte-americanas subiram após a divulgação de que a economia dos Estados Unidos criou 223 mil empregos fora do setor agrícola em dezembro. O número veio dentro das previsões dos analistas e diminuiu o receio de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) mantenha os juros da maior economia do planeta altos por mais tempo que o previsto.

*Com informações da Reuters



Source link

Bolsa sobe 1,12% após declarações de presidente indicado da Petrobras

Após três dias de queda, a bolsa de valores recuperou-se após declarações do presidente indicado da Petrobras Jean Paul Prates amenizarem o mau-humor dos investidores. O dólar alternou altas e quedas, mas fechou estável.

O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta quarta-feira (4) aos 105.334 pontos, com alta de 1,12%. No início da tarde, o indicador chegou a cair 0,24%, mas recuperou-se nas horas seguintes.

A alta da bolsa foi puxada pelas ações da Petrobras, que subiram após o senador Jean Paul Prates (PT-RN), indicado para presidir a companhia, descartar intervenção no preço dos combustíveis e avaliar que os preços terão a cotação internacional como referência.

Os papéis ordinários (com voto em assembleia de acionistas) da Petrobras subiram 1,67%. As ações preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) valorizaram-se 3,18%.

No mercado de câmbio, o dia foi marcado pela estabilidade. O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,452, com alta de apenas 0,01%. A cotação chegou a R$ 5,47 pouco depois das 12h, mas desacelerou ao longo da tarde. Na mínima do dia, por volta das 13h15, chegou a cair para R$ 5,42.

Além das declarações de Jean Paul Prates, dadas logo após a posse de Geraldo Alckmin como ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, o mercado foi afetado por falas de outros membros do governo. Durante a tarde, o ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, negou que o governo estude uma revisão da reforma da Previdência.

Ontem (3), o ministro da Previdência, Carlos Lupi, afirmou que pretendia rever a reforma da Previdência e criar uma regra de aposentadorias baseada na expectativa de vida nas regiões. A declaração aumentou o mal-estar no mercado e elevou o dólar para a maior cotação desde o fim de julho.

* com informações da Reuters

Source link

Dólar cai para R$ 5,16 com prévia da inflação no Brasil


Impulsionado pela inflação dentro do esperado no Brasil e pelo otimismo externo, o mercado financeiro teve um dia de recuperação. O dólar caiu para o menor nível desde o início de novembro, e a bolsa de valores recuperou os 109 mil pontos, obtendo a melhor semana desde outubro.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (23) vendido a R$ 5,166, com recuo de R$ 0,019 (-0,38%). A cotação operou em queda durante toda a sessão, chegando a cair para R$ 5,12 na mínima do dia, por volta das 12h30. Durante a tarde, a divisa recuperou território, mas manteve a queda.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana fechou a semana com baixa de 2,4%. O dólar acumula queda de 0,69% em dezembro e de 7,35% em 2022.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 109.698 pontos, com alta de 2%. O indicador está no maior nível desde 6 de dezembro e foi impulsionado por ações de empresas do setor financeiro e de estatais. Apenas nesta semana, o Ibovespa subiu 6,7%, a maior alta desde a terceira semana de outubro.

Tanto fatores internos como externos contribuíram para o alívio no mercado financeiro. No Brasil, a divulgação de que o IPCA-15, índice de prévia da inflação, ficou em 0,52% em dezembro animou os investidores. O indicador veio dentro do esperado e confirmou a desaceleração da inflação.

O mercado também continua a repercutir a aprovação da emenda constitucional da Transição com vigência de apenas um ano. A limitação dos efeitos da emenda, que retira até R$ 168 bilhões do teto de gastos em 2023, reduz o impacto nas contas públicas em relação ao anunciado no envio da proposta, que inicialmente valeria por quatro anos.

No exterior, a desaceleração da inflação ao produtor nos Estados Unidos desfez parcialmente o pessimismo dos últimos dias no mercado externo. Nesta semana, houve dados mistos em relação à maior economia do planeta, com o Produto Interno Bruto crescendo mais que o previsto e os pedidos de seguro-desemprego abaixo do esperado.

O aquecimento da economia e do mercado de trabalho tinha aumentado as pressões para que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) mantivesse os juros altos por mais tempo que o previsto. No entanto, os números da inflação começam a mostrar que o aperto monetário nos Estados Unidos está surtindo efeito. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

* com informações da Reuters



Source link

Congresso rejeita vetos presidenciais à LDO 2023

No último dia de sessão legislativa do ano, o Congresso Nacional derrubou vários itens de dois vetos presidenciais. Um dos vetos afetava a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023. Outro retirava dispositivos da lei que criou o Sistema Eletrônico de Registros Públicos (Serp) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2023 (LDO).

Os vetos foram rejeitados em sessão conjunta da Câmara e do Senado realizada após a aprovação do Orçamento Geral da União para 2023. Em relação à LDO, o Congresso restituiu a obrigação de o Poder Executivo respeitar as indicações de deputados e senadores para a execução das emendas de relator-geral. Essa derrubada não terá efeito prático porque o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional o orçamento secreto.

Também foi derrubado um veto sobre obras de responsabilidade da União executadas com dinheiro de estados e municípios. A LDO voltará a ter um dispositivo que criava uma espécie de encontro de contas nesses casos, que permitia o abatimento dos valores das dívidas dos governos locais com o Tesouro Nacional.

Outros itens restituídos ao texto preveem que não haverá contingenciamento (bloqueios) para gastos com subvenção econômica ao prêmio do Seguro Rural, com pesquisa e desenvolvimento e transferência de tecnologias para a agropecuária sob responsabilidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com despesas com defesa agropecuária e com assistência técnica e extensão rural.

Registros públicos

Em relação à lei sobre os Registros Públicos, os parlamentares reincluíram um trecho que determina e extinção automática do patrimônio de afetação em relação à unidade de apartamento quitada pelo comprador com registro do contrato de compra e venda ou promessa de venda.

Patrimônio de afetação é um mecanismo em que o dinheiro destinado a determinada obra fica separado do patrimônio geral da construtora e conta com tributação favorecida.

Segundo os parlamentares, embora o governo tenha argumentado que o dispositivo retiraria do incorporador a obrigação de entrega pronta e geraria um possível passivo de indenizações por obras inacabadas, o texto vetado é exatamente igual ao editado por meio da Medida Provisória 1.085/21, que originou a lei.

Outro ponto cujo veto foi derrubado determina a lavratura de ata notarial na adjudicação de imóvel objeto de promessa de venda ou cessão. Agora, a ata deverá trazer dados de identificação do imóvel e do comprador e prova do pagamento.

Também foi reincluído na lei trecho que dispensa a comprovação da regularidade fiscal do promitente vendedor no deferimento da adjudicação compulsória.

Essa adjudicação compulsória pode ocorrer quando houver recusa do vendedor em realizar a escritura de compra e venda, quando houver impossibilidade de o vendedor realizar a escritura de compra e venda ou quando o vendedor não puder ser localizado para realizar a outorga.

* Com informações das Agências Câmara e Senado

Source link

Senado aprova mudanças da PEC da Transição


Depois de cerca de duas horas de sessão, o Senado aprovou na noite de hoje (21) as mudanças na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição feitas na Câmara. O texto foi aprovado, em sessão híbrida, por 63 votos a 11 em primeiro turno e por 63 a 11 no segundo turno, sem alterações. A PEC segue agora para promulgação. O  presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), marcou a sessão para a promulgação da PEC ainda para a noite desta quarta-feira.

Segundo o presidente do Senado, a PEC foi votada nesta quarta-feira para permitir a votação do Orçamento-Geral da União de 2023 o mais rápido possível. O Orçamento é aprovado em sessão conjunta do Congresso.

A aprovação ocorre poucas horas depois de a Câmara dos Deputados concluir a votação da PEC em segundo turno. O presidente da Câmara, Arthur Lira, informou mais cedo que há um compromisso para que o Senado não modifique o texto da Câmara, o que permitirá a promulgação nesta semana.

Logo após a aprovação em primeiro turno, o Senado aprovou a extinção do interstício de cinco sessões e começou a votar a proposta em segundo turno. Amanhã (23), será o último dia de atividade legislativa do ano. Caso o Congresso não consiga promulgar a PEC nem aprovar o Orçamento nesta quinta, será necessária uma convocação extra para que o Parlamento cumpra os procedimentos na próxima semana.

A proposta estabelece que o novo governo terá R$ 145 bilhões para além do teto de gastos, dos quais R$ 70 bilhões serão para custear o Auxílio Brasil (que voltará a se chamar Bolsa Família em 2023) de R$ 600 com um adicional de R$ 150 por criança de até 6 anos.

Os outros R$ 75 bilhões podem ser destinados para as despesas como políticas de saúde (R$ 16,6 bilhões), entre elas o programa Farmácia Popular e o aumento real do salário mínimo (R$ 6,8 bilhões). A PEC também abre espaço fiscal para outros R$ 23 bilhões em investimentos pelo prazo de um ano.

Modificações

Os deputados aprovaram duas modificações no texto da PEC. A primeira mudança diminuiu o tempo de ampliação do teto de gastos para um ano, diferente do prazo de dois anos do texto aprovado no Senado. Inicialmente, a proposta negociada pelo governo eleito era de validade por quatro anos.

Outro destaque aprovado alterou a destinação dos recursos do chamado orçamento secreto, as emendas de relator, consideradas inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Acordo entre líderes partidários definiu que os recursos serão rateados entre emendas individuais e programações de execução não obrigatória pelo Executivo. A Câmara ficará com 77,5% do valor global das emendas individuais; e o Senado, com 22,5%.

Regra de ouro

A PEC dispensa a “regra de ouro” em relação à necessidade de que o Poder Executivo solicite ao Congresso Nacional autorização para emitir títulos da dívida pública para financiar despesas correntes no montante de R$ 145 bilhões no próximo ano. Os recursos ficarão de fora ainda da meta de resultado primário.

Também estão retiradas as limitações do teto de gastos em doações recebidas por universidades federais, recursos para o auxílio-gás em 2023, transferência de recursos dos estados para União executar obras e serviços de engenharia. Ficam fora da limitação as doações para projetos socioambientais relacionados às mudanças climáticas.

* Colaborou Heloísa Cristaldo



Source link

Dólar cai para R$ 5,20 após acordo que limita PEC da Transição

O acordo que limitou a vigência da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição por um ano foi bem recebido no mercado financeiro. O dólar caiu para o menor valor em quase duas semanas e a bolsa teve forte alta, fechando no nível mais alto em 11 dias.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (20) vendido a R$ 5,207, com queda de R$ 0,102 (-1,93%). A cotação abriu em leve alta, mas começou a recuar ainda durante a manhã. Na mínima do dia, por volta das 13h15, chegou a R$ 5,18.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana atingiu a menor cotação desde o último dia 7 e praticamente zerou a alta em dezembro. Em 2022, a divisa acumula queda de 6,62%.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 106.864 pontos, com alta de 2,03%. Puxado por ações de varejistas e de estatais, o indicador alcançou o maior nível desde o último dia 9.

Nesta terça, o Congresso Nacional e a base aliada do governo eleito fecharam um acordo para reduzir, de dois anos para um ano, a vigência da PEC da Transição. Serão excluídos do teto de gastos R$ 145 bilhões para programas sociais, R$ 23 bilhões para investimentos com base em excesso de arrecadação e R$ 24,6 bilhões de contas abandonadas do Fundo PIS/Pasep também para investimentos.

Em troca, os R$ 19,4 bilhões das emendas de relator, associadas ao orçamento secreto, serão divididos igualmente, com R$ 9,7 bilhões redistribuídos aos ministérios e R$ 9,7 bilhões destinados às emendas individuais impositivas.

A desidratação parcial da PEC da Transição foi bem recebida por reduzir o impacto sobre os gastos públicos. Além disso, os altos juros no Brasil atraíram capitais estrangeiros. No exterior, o dólar caiu cerca de 0,5% perante as principais moedas do planeta, em ritmo mais contido que a queda de hoje em relação ao real.

* Com informações da Reuters

Source link

Dólar tem leve alta e sobe para R$ 5,30 após decisões do STF


As decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) relativas ao Bolsa Família e ao orçamento secreto fizeram o dólar fechar em leve alta, na contramão da queda da moeda no mercado internacional. A bolsa de valores subiu quase 2% e recuperou-se parcialmente das quedas recentes.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (19) vendido a R$ 5,309, com alta de R$ 0,015 (+0,28%). A cotação iniciou o dia em alta, chegando a R$ 5,34 nos primeiros minutos de negociação, mas desacelerou ao longo do dia. Por volta das 15h, chegou a operar em R$ 5,29.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana acumula alta de 2,06% em dezembro. Em 2022, a divisa cai 4,79%.

O mercado de ações teve um dia mais tranquilo. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 104.740 pontos, com alta de 1,83%. O indicador subiu durante quase toda a sessão, impulsionado por ações de bancos.

O mercado financeiro iniciou o dia sob tensão após o ministro do STF Gilmar Mendes conceder liminar que autoriza o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva a retirar o Bolsa Família do teto de gastos em 2023.

No início da tarde, após o plenário do Supremo considerar inconstitucional o orçamento secreto, os investidores ficaram em compasso de espera, enquanto aguardam os desdobramentos das decisões sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição.

No exterior, o dólar caiu levemente perante as principais moedas do planeta, devolvendo as fortes altas do fim da semana passada, após o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) elevar os juros básicos dos Estados Unidos em 0,5 ponto percentual. As bolsas norte-americanas, porém, caíram pela quarta vez seguida, refletindo declarações recentes de dirigentes do Fed de que o órgão vai continuar o aperto monetário para segurar a inflação na maior economia do planeta.

*Com informações da Reuters



Source link