Policial

Polícia Federal faz ação contra lavagem de dinheiro no Rio e SP

A Polícia Federal (PF) cumpre hoje (17) 11 mandados de busca e apreensão em residências e escritórios no Rio de Janeiro e São Paulo. A operação Enterro dos Ossos investiga crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Segundo a PF, a ação é um desdobramento da operação Patron, que investigou o ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes, que governou o país vizinho entre 2013 e 2018.

A ação busca aprofundar investigações sobre pessoas físicas que mantêm ou mantiveram bens e recursos no exterior não declarados às autoridades brasileiras.

Os alvos da operação de hoje também são investigados por praticar operações suspeitas de remessa ilegal de dinheiro para o exterior.

Source link

Polícia Militar intensifica ações e apreende armas de fogo na Paraíba durante Operação Dia das Mães » PATOS ONLINE

ÓTICAS GUIMARÃES

A Polícia Militar vem intensificando as ações de policiamento durante o fim de semana em todo Estado. As ações fazem parte da Operação Dia das Mães, que foi desencadeada nessa última sexta-feira (6), resultando na apreensão de oito armas de fogo durante a noite desse sábado (7). Com a intensificação das ações, as apreensões ocorreram nas cidades de João Pessoa, Juarez Távora, Itatuba, Massaranduba, Campina Grande e Pocinhos.

Na Capital, policiais militares do radiopatrulhamento estavam em rondas na Comunidade Riachinho, quando avistaram homens em atitudes suspeitas. Na aproximação, os suspeitos evadiram pela comunidade e abandonaram uma arma de fogo, um revólver calibre 38, com seis munições intactas. A arma foi apreendida e encaminhada à Central de Flagrantes para sua formalização de entrega; já os suspeitos não foram identificados, apesar das buscas.

Em Juarez Távora, uma equipe policial se deparou com um suspeito nas imediações do Campo da Vila do Cabral. Na aproximação, o suspeito tentou se desvencilhar da arma, mas sem sucesso. Na abordagem, foi encontrado um revólver calibre 38, com seis munições intactas. O suspeito, de 30 anos, foi preso e conduzido à delegacia da cidade de Guarabira.

Já em Itatuba, uma equipe policial foi informada por populares que dois homens, suspeitos de envolvimento no tráfico, “trocaram tiros” na localidade conhecida por “Barriguda”, e que um deles teria falecido no local e o outro teria sido socorrido em razão do confronto. Rapidamente, a equipe policial foi ao local e constatou o fato. As duas armas utilizadas foram apreendidas e conduzidas à delegacia da cidade. Já o suspeito sobrevivente, está sob custódia no Hospital de Traumas de Campina Grande.

Em Massaranduba, policiais foram informados que uma casa abandonada, nas proximidades do Sítio Gravatá, estaria sendo utilizada para o tráfico de drogas. Imediatamente, a equipe policial foi ao local e nas buscas foi localizada uma espingarda no interior da casa. A arma foi apreendida e encaminhada à delegacia da cidade.

Em Campina Grande, durante abordagem a um suspeito, foi encontrado um revólver, calibre 38, com cinco munições intactas, próximo ao um posto de combustíveis na cidade. O suspeito, de 22 anos, e a arma apreendida foram conduzidas para a Central de Flagrantes da cidade.

E em Pocinhos, policiais da Força Tática estavam em rondas quando observaram dois homens em atitudes suspeitas. Na abordagem, foram encontradas duas armas de fogo, ambas de calibre 38, com 11 munições intactas. Os suspeitos, de 19 anos cada, e as armas apreendidas foram conduzidas à delegacia da cidade.

Secom

Source link

Polícia identifica falso entregador suspeito de matar jovem durante roubo em SP


Agentes encontraram um revólver e material semelhante ao utilizado no assalto em endereços ligados ao suposto autor do crime

Agência Brasil

polícia civil
Polícia Civil identificou o suspeito de ser o autor do crime

A Polícia Civil identificou o suspeito de ser o falso entregador que matou Renan Silva Loureiro, de 20 anos, durante um roubo no Jabaquara, na zona sul de São Paulo. O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) ainda não divulgou a identidade do suposto autor do crime. Buscas foram realizadas em dois endereços ligados ao suspeito nesta quarta-feira, 27. A polícia encontrou um revólver, uma bolsa, uma jaqueta e capa de chuva, material semelhante ao utilizado no roubo. Também foram encontrados vários cartões de memória de celulares, possivelmente provenientes de roubo.

Na última segunda-feira, 25, Renan e a namorada passavam pela rua Rua Freire Farto, no Jabaquara, quando foram abordados por um motoqueiro que usava uma mochila de entregador de aplicativo. Ele anunciou o assalto, pegou os celulares do casal e, antes de fugir, atirou contra o jovem, que morreu no local. A Polícia Civil afirmou que as buscas prosseguem para prender o suspeito.

 



Source link

Suspeitos de tráfico são mortos durante confronto em operação da Polícia Civil em Pombal

Dois suspeitos morreram no início da manhã desta quinta-feira (28) durante uma operação da Polícia Civil realizada na cidade de Pombal contra o tráfico de drogas.

Os suspeitos teriam reagido contra os policiais durante a abordagem e foram mortos durante a troca de tiros.

Os corpos foram encaminhados para o necrotério do Hospital Regional de Pombal

A ação, realizado por policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) e Grupo de Operações Especiais (GOE), aconteceu no bairro Pereirão.

Com informações de Parlamento PB

Caso Madeleine McCann: após 15 anos, justiça portuguesa indicia principal suspeito; relembre o caso


Crime estava prestes a ser prescritos; identidade do acusado não foi divulgada, mas trata-se de um pedófilo reincidente

DivulgaçãoCaso Madeleine McCann já dura 13 anos

Após 15 anos do desaparecimento de Madeleine McCann, um suspeito foi indiciado na quinta-feira, 21, pela polícia portuguesa. Seguindo as pistas concedidas por investigadores alemães em 2020, a Justiça do país declarou formalmente que um homem, que não teve o nome revelado, é o responsável pelo desaparecimento de Maddie. O pedido de acusação foi realizado pela procuradoria portuguesa sem especificar a sua identidade ou a natureza das suspeitas que pesam sobre o acusado.

Há dois anos as autoridades alemãs afirmam que têm provas do homicídio de Madeleine, que desapareceu em Portugal aos 3 anos, e apontam como principal suspeito um pedófilo reincidente alemão, identificado como Christian B. “É óbvio que Portugal também tem suspeitas sobre ele”, mas “eu ficaria surpreso se da noite para o dia eles estivessem mais avançados na investigação do que nós aqui”, disse Hans Christian Wolters, porta-voz da Procuradoria de Brunswick, responsável pela parte alemã do caso. Friedrich Sebastian Fülscher, advogado que representa Christian B, declarou que “não devemos superestimar esta medida tomada pelas autoridades portuguesas”.

Em Portugal, casos com 15 anos são prescritos, e o de Madeleine, se não tivesse um indiciado até este ano, corria o risco de não ter uma resposta, já que completa o tempo máximo no dia 3 de maio. Fülscher, supõe que a “prescrição foi interrompida com esta medida” – o indiciamento de um suspeito. “O que aconteceu está relacionado com a prescrição. Basicamente, é um truque processual da acusação”, diz Gonçalo Amaral, ex-inspetor português responsável pelo caso, que foi demitido da força policial depois de acusar os pais da menina de matá-la acidentalmente e depois esconder seu corpo. Com o indiciamento, o processo continua em aberto. Em comunicado, o Ministério Público de Portugal disse que a medida não foi motivada pela data, mas sim por “fortes indícios” da prática de um crime.

Relembre o caso

No dia 3 de maio de 2007, Madeleine McCann, referida na imprensa britânica como “Maddie”, era dada como desaparecida pelos seus pais. A garota que estava prestes a completar quatro anos passava férias com a família na Praia da Luz, em Portugal. Em um primeiro momento, a polícia portuguesa trabalhou com a hipótese da garota ter sido sequestrada, mas acreditar que ela ainda estava viva. 23 dias depois do ocorrido, há indícios sobre uma suspeito: um homem que foi visto carregando uma criança. 100 dias após o desaparecimento os investigadores assumem que ela não deve estar viva.

Investigações foram conduzidas durante todos os anos, cheias de altos e baixos. O desaparecimento de Madeleine deu origem a uma campanha internacional excepcional para tentar encontrá-la. Após 14 meses de investigações, nas quais os pais chegaram a ser os principais suspeitos, a polícia portuguesa encerrou o caso em 2008. Ele foi reaberto cinco anos depois. Só em 2020, que o caso começou a se desenrolar. Com ajuda da polícia alemã, um prisioneiro de 43 anos foi identificado como suspeito. Os pais da menina agradeceram aos investigadores e declararam que tudo o que sempre quiseram foi encontrá-la, descobrir a verdade e levar os responsáveis à justiça, além do fato de que nunca perderam a esperança de encontrá-la viva.





Source link

Ações da PRF no Sertão nos dias 25 e 26/03

PRF apreende carga de cigarros contrabandeados avaliada em cerca de R$ 27 mil no Sertão da Paraíba.

Foto: PRF

Pombal-PB (PB), 25/03/2022 – No início da tarde desta última sexta-feira (25), equipes da Polícia Rodoviária Federal realizavam fiscalização nas proximidades do município de Pombal, na BR 230, km 404 e perceberam que um veículo GM/Meriva, cor cinza, havia desviado da fiscalização. As equipes da PRF fizeram um acompanhamento tático e abordaram o veículo.

Imagens: PRF

No interior do veículo os policiais encontraram 15 caixas contendo 7500 maços de cigarros contrabandeados da marca GIFT. O condutor, um homem de 57 anos de idade foi detido e qualificado no crime de contrabando e encaminhado para a Polícia Federal em Patos com o veículo e os maços de cigarros para os procedimentos cabíveis.

Publicidade

Veículo roubado em São Paulo-SP é recuperado pela PRF no sertão paraibano

Foto: PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou, na tarde desta última sexta-feira (25), um veículo roubado há 10 anos em São Paulo-SP e que circulava clonado no município de Sousa, sertão paraibano.

Equipes da PRF realizavam fiscalização na BR 230, km 462, perímetro urbano de Sousa, quando visualizaram um FORD/ECOSPORT XLT de cor branca. Foi dado ordem de parada ao veículo. Durante a fiscalização minuciosa, os policiais identificaram divergências da placa do automóvel com os outros elementos identificadores. Foi constatado através de pesquisas nos sistemas de segurança que se tratava de um clone. O carro tinha uma ocorrência de roubo no mês de janeiro de 2012, em São Paulo-SP.

O condutor, um homem de 34 anos de idade, foi detido e encaminhado para a Delegacia de Polícia Judiciária de Sousa, onde deverá responder criminalmente por receptação de veículo roubado. O veículo também foi levado para a Delegacia de Polícia Judiciária para serem feitos os procedimentos cabíveis de devolução para o proprietário.

Motorista alcoolizado é preso com arma de fogo pela PRF no Sertão da Paraíba

Por volta das 05h da manhã deste último sábado (26), equipes da Polícia Rodoviária Federal estavam fiscalizando na saída de Patos para Piancó, na BR 361, km 04 quando perceberam que um veículo I/Toyota Hilux SW4, cor prata, desviou da fiscalização e parou em um terreno próximo ao local.

Uma equipe da PRF se deslocou e abordou o veículo. Os policiais perceberam que o condutor, um homem de 34 anos de idade, residente em João Pessoa-PB, estava com fala alterada, arrogante, exaltado, dispersivo, sonolento, olhos vermelhos e exalando forte odor etílico.

Imagem: PRF

A equipe realizou buscas nas proximidades do veículo e encontraram uma pistola calibre 9mm, marca Forjas Taurus com 13 munições, pertencentes ao condutor. Os policiais deram voz de prisão ao condutor e o encaminharam para a Polícia Civil em Patos-PB, com a arma e as munições apreendidas. Ele responderá pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e munições e conduzir veículo com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool.

Foto: PRF

Fonte: Núcleo de Comunicação da PRF/Patos-PB

Membros de facção criminosa são condenados a mais de 195 anos de prisão

Nove integrantes de uma facção criminosa  foram condenados, com a soma das penas impostas a todo o Núcleo, a um total de 195 anos e nove meses de prisão por tráfico de drogas, com agravantes de uso de arma de fogo, o fato das ordens do tráfico partirem da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes (PB1) e reincidência. Para a juíza auxiliar da Vara de Entorpecentes da Capital, é incontestável que todo o comando do tráfico, ordens, negociações, partiam de dentro de estabelecimento prisional, onde o líder do grupo se encontrava recolhido. Dessa forma, foram reconhecidas as causas de aumento de pena do artigo 40, incisos III e IV, da Lei de Drogas.

Publicidade

Keni Rogeus Gomes da Silva, vulgo “Poeta”, era o líder do Núcleo 1 da Operação Hidra, que atuava, especificamente, no bairro São José, em João Pessoa. Os demais réus Luciana Carla Inácio da Silva, vulgo “Carla ou Cabelo de Fogo”, Maria Eduarda Rodrigues da Silva, vulgo “Maga”, Robson da Silva Santos, vulgo “Bad boy ou Binho”, José Raelisson da Silva Aguiar, Damião Venâncio dos Santos, vulgo “Bad boy ou Binho”, Eduardo Rodrigues da Silva, vulgo “Dudu” e Aurélio Freire da Cruz Júnior agiam sob o comando do primeiro. Adriano Pereira da Silva, vulgo “Branco” também respondeu ao processo, contudo, restaram dúvidas quanto ao seu vínculo subjetivo. Dessa forma, em atenção ao princípio constitucional da não presunção de culpabilidade (in dubio pro reu), ele foi absolvido.

Foi negado a todos o direito de recorrerem da decisão em liberdade, uma vez que permaneceram segregados desde o início da instrução criminal, sendo contraditória a liberação após o desfecho da demanda com uma sentença condenatória, na visão da magistrada. “Sob pena de configurar um verdadeiro incentivo à criminalidade e contrário ao senso geral de Justiça, havendo necessidade do tolhimento de sua liberdade para eficácia da sanção”, afirmou.

Quanto às rés Luciana Carla e Maria Eduarda, a juíza considerou que, apesar do papel relevante que ostentavam dentro da associação narcotraficante, elas responderam ao processo em liberdade, e observando, sobremodo, as circunstâncias judiciais analisadas, em especial a culpabilidade e personalidade de ambas, não foram vistos motivos para impor-lhes, novamente, a prisão preventiva e, portanto, foi concedido o direito de responderem em liberdade.

Keni Rogeus, vulgo “POETA”, foi condenado a 36 anos de reclusão. Luciana Carla e Maria Eduarda a 15 anos cada uma, Robson da Silva a 29 anos e três meses, José Raelisson a 27 anos, Damião Venâncio a 22 anos e seis meses, Eduardo Rodrigues a 30 anos e Aurélio Freire a 21 anos.

Conforme foi apurado, apesar de Keni Rogeus encontrar-se recolhido na Penitenciária de Segurança Máxima – PB1, mantinha, constantemente, contatos telefônicos com as pessoas acima citadas, em sua maioria residentes no bairro São José. Para a magistrada, ficou demonstrado o elevado grau de controle hierárquico sobre os demais integrantes da organização criminosa, e ainda, sobre quaisquer fatos ocorridos naquela localidade, desde episódios simples, como planejamento de festas e resolução de conflitos locais, até a delimitação territorial de cada ponto de tráfico de drogas (bocas de fumo) e indicação dos bairros que poderiam ou não serem alvos de roubos praticados por integrantes do grupo.

Analisando o conjunto de

interceptações telefônicas e depoimentos colhidos), a juíza teve certeza de que os oito primeiros denunciados, e outros agentes não identificados, associaram-se de forma estável e permanente, com clara divisão de tarefas, para a prática do crime de tráfico de drogas, impondo as condenações das penas previstas no artigo 35 da Lei 11.343/06.

Restou apurado que a organização criminosa era estruturada sob a forma piramidal e caracterizada pela forte divisão de tarefas. Foi originada a partir do conflito de alguns membros pertencentes a conhecida fação criminosa, comandada por André Quirino da Silva (Fão).  A associação estava voltada à prática de diversos delitos, especialmente, o tráfico de drogas em João Pessoa, sendo responsável por grande parte das condutas violentas que aqui são perpetradas.

A investigação apurou, ainda, que havia a prática de crimes diversos, além do tráfico de drogas, tais como roubos e outros relacionados a distribuição de armas de fogo. Também foi verificado o relevante papel exercido pelos familiares dos traficantes, quando estes se encontravam recolhidos, como as próprias mães, esposas e companheiras que tinham a função de facilitar a comunicação entre os integrantes de núcleos diferentes, assim como gerenciar as finanças e lavar ou ocultar os lucros provenientes das atividades ilícitas, tendo sua atuação contribuído para o sucesso das várias empreitadas criminosas encabeçadas pela organização.

Por Gabriella Guedes

Dez Animais silvestres foram apreendidos pela PRF em Junco do Seridó, próximo ao município de Patos-PB

 

As aves, da espécie Canário da Terra, transportadas em condições degradantes e, aparentemente, seriam utilizadas em rinhas

Na manhã desta terça-feira (22), por volta das 10h, no km 264, da BR 230, em Junco de Seridó-PB, uma equipe da Polícia Rodoviária Federal-PRF, realizava fiscalização de rotina, quando encontrou as aves silvestres dentro de um veículo FIAT/Strada Working, com dois ocupantes. 
Durante revista ao veículo, na parte traseira da caminhonete, os policiais encontraram pássaros da espécie Canário da Terra, cujo nome científico é “Sicalis flaveola”. As aves estavam sendo transportadas de forma irregular, uma vez que os ocupantes do veículo não possuíam nenhuma autorização dos órgãos ambientais. 
Publicidade

De acordo com os policiais, pelas características das gaiolas e dos animais, possivelmente, tratam-se de animais que seriam utilizados em prática de rinha, atividade que configura crime ambiental. Os animais estavam sendo transportados em gaiolas pequenas, em local com alta temperatura, sem água, ou condições de higiene, caracterizando condições degradantes. 
O condutor do veículo, um homem de 43 anos,  apresentou-se como responsável pelos animais, assinou o termo de compromisso e comparecimento em juízo, e responderá por crime ambiental. No veículo também havia um passageiro, homem de 50 anos, que, a princípio, foi citado como testemunha. 
As aves foram encaminhadas à Polícia Militar Ambiental/PMPB na cidade de Patos-PB.
Com informações do Núcleo de Comunicação da PRF/Patos

Veículo roubado há pouco mais de um ano no Pernambuco é recuperado pela PRF no sertão paraibano

O veículo adulterado circulava clonado nas rodovias federais. Um homem foi detido durante a ação. 

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou, no início da tarde desta segunda-feira (21), um veículo roubado há pouco mais de um ano que circulava clonado no município de Piancó, sertão paraibano.
Publicidade 
Equipes da PRF realizavam fiscalização na BR 361, km 86, próximo ao DETRAN-PB, quando visualizaram um VW/Virtus de cor branca. Foi dado ordem de parada ao veículo. Durante fiscalização minuciosa, os policiais identificaram divergências da placa do automóvel com os outros elementos identificadores. Foi constatado através de pesquisas nos sistemas de segurança que se tratava de um clone. O carro tinha uma ocorrência de roubo na data de dezembro de 2020, em Recife-PE.

Os sistemas de segurança também retornou a equipe de policiais que o condutor, um homem de 56 anos de idade, tinha em seu desfavor, um mandado de prisão em aberto, pelo artigo 297 da lei 2848/1940 (Falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro), expedido em abril de 2018 pela 2ª Vara Mista de Patos-PB. Ele foi detido, encaminhado para a Delegacia de Polícia Judiciária de Piancó, onde deverá responder criminalmente por receptação de veículo roubado, além de cumprir a pena imposta pela justiça. O veículo também foi levado para a Delegacia de Polícia Judiciária para serem feitos os procedimentos cabíveis de devolução para o proprietário.

Com informações da assessoria/PRF/PATOS

Em entrevista, Delegado traz detalhes de como se deu duplo homicídio e tentativa de homicídio contra sargento da PM, em Patos

 

À Polícia, o adolescente alegou que a motivação para ter cometido tal crime bárbaro foi porque os pais estavam privando ele de jogar um jogo, chamado “Roblox”, que é baseado em mundo aberto, multiplataforma e simulação do multiverso.

O Delegado da Polícia Civil de Patos, Renato Leite, concedeu entrevista a TV Sol na noite deste sábado, dia 19 de março, e deu mais detalhes da tragédia envolvendo uma família na tarde de ontem, onde um adolescente de 13 anos matou a mãe e o irmão, de 7 anos, e atirou contra o pai, um sargento da PM, identificado por Benedito.


De acordo com o Delegado, o adolescente disse em detalhes como se deu o crime e também a real motivação que o levou a cometer tamanha barbárie contra a própria família: “O pai hoje, antes de sair pra comprar um remédio para a mãe, que estava com dor de dente, tomou o celular dele por conta das notas baixas. 

Então, quando o pai saiu, ele entregou o celular da mãe para o irmão mais novo e o colocou no quarto dele, foi no escritório do pai, pegou a arma, que estava bem guardada num armário de ferro fechado, mas ele conseguiu pegar a arma, e a mãe aguardava no quarto, deitada, dormindo. Ele chegou, encostou a arma na cabeça dela e efetuou um disparo contra a mãe”, contou o delegado.


Publicidade

Renato Leite detalha que o irmão mais novo, ao se deparar com a cena, começou a brigar com o adolescente, e nesse momento o sargento Benedito chegou novamente em casa e tentou pegar a arma do filho, porém acabou sendo atingido: “Quando isso aconteceu, o irmão escutou, saiu de dentro do quarto e veio em direção a mãe, viu a situação e começou a brigar com ele, então nessa briga, ele ainda correu atrás dele dentro da residência pra atirar, mas foi quando o pai chegou. O pai tentou intervir, pediu que soltasse a arma e ele terminou efetuando um disparo contra o pai, que caiu na sala. O irmão, ao ver o pai caído, foi tentar socorrer o pai e se abraçou com ele, foi quando o adolescente atirou no irmão pelas costas.”


O Delegado conta que após o ocorrido, o adolescente agiu friamente, guardou a arma utilizada no crime, chamou o SAMU, e tentou fazer como se tivesse sido um assalto, porém depois de todas as diligências realizadas na residência, a polícia conseguiu elucidar o caso. A arma foi apreendida e encaminhada para a perícia, já o menor aguarda em um local adequado à manifestação judicial e do Ministério Público.


Renato Leite disse também que o adolescente alegou que a motivação para ter cometido tal crime bárbaro foi porque os pais estavam privando ele de jogar um jogo, chamado “Roblox”, que é baseado em mundo aberto, multiplataforma e simulação do multiverso: “A motivação que ele alegou de ter sido a gota d’água hoje, para que ele pegasse a arma do pai e resolvesse atirar contra a mãe, o pai e o irmão, foi justamente por isso. Ele alegou que era pressionado pra tirar boas notas na escola, porque estava tirando notas baixas, pois em casa só queria saber de estar jogando esse jogo”, completou.


O Delegado conta que percebeu, infelizmente, que quando o menino soube que o pai ainda estava vivo, se assustou: “Acho que ele estava mais satisfeito se tivesse todos os três falecidos”, comentou Renato.


Perguntado se o adolescente havia contado como aprendeu a atirar, o Delegado informou que o policial já havia mostrado a arma ao menino, mas de maneira controlada e ele nunca havia atirado: “Ele alega que o pai mostrou a ele, a arma, mas de uma forma controlada, até porque, por ser policial, mostrou por curiosidade, mas ele disse que nunca tinha atirado não”, relatou Renato Leite.


O pai, Sargento Benedito, está internado no Complexo Hospitalar Regional de Patos com uma bala alojada na coluna, aguardando a regulação para ser transferido para a cidade de Campina Grande.


Ouça a fala do delegado abaixo:

Sonora Delegado Renato Leite – Áudio de entrevista concedida à TV Sol

Matéria de patosonline.com