Na última quarta (18), a Netflix divulgou os filmes que irá lançar em 2023. Ao todo, são 49 produções, entre documentários, animações, adaptações e sequências de outros longas da plataforma. Assista ao vídeo do anúncio:

Abaixo, selecionamos 11 produções que valem ficar de olho. A maioria, vale dizer, ainda não tem trailer nem data de estreia definida. Confira:

Resgate 2

Estreia: 16 de junho

Imagem promocional de Resgate 2.
Divulgação/Reprodução

Com 231 milhões de horas assistidas, Resgate (2020) é, até agora, o sétimo filme original da Netflix mais assistido da plataforma. Com o sucesso, uma continuação era iminente: Chris Hemsworth está de volta como o mercenário Tyler Rake. E, desta vez, sua missão é resgatar a própria família das mãos de um criminoso.
O filme de ação é baseado na história em quadrinhos Ciudad, de Ande Parks. Os irmãos Joe e Anthony Russo, de Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato, são os produtores executivos dos dois filmes da série. Quem também está de volta é o cineasta Sam Hargrave, que trabalhava como coordenador de dublês antes de virar diretor.

The Killer

Foto de David Fincher.
Alberto E. Rodriguez/Getty Images

Estreia: 10 de novembro
David Fincher (A Rede Social, Garota Exemplar) e a Netflix têm uma estreita relação. Em 2013, o diretor foi um dos idealizadores de House of Cards, o primeiro hit da plataforma. Atuou como produtor executivo e dirigiu os primeiros dois episódios – o que ajudou a ditar o tom de toda a série.
Não só. O cineasta também produziu as elogiadas séries Mindhunter e Love, Death & Robots, além de Voir, uma série documental sobre cinema. Em 2020, lançou Mank, filme sobre Herman J. Mankiewicz, o roteirista de Cidadão Kane. Recebeu dez indicações no Oscar 2021.
The Killer, nova empreitada de Fincher no streaming, é uma adaptação de uma graphic novel francesa homônima, escrita por Alexis Nolent. Conta a história de Christian, um assassino que decide ir atrás de quem o contratou após uma desastrosa missão.
Michael Fassbender vive o personagem principal. O elenco tem também Tilda Swinton e a teuto-brasileira Sophie Charlotte (ela nasceu e viveu até os oito anos na Alemanha; depois, fez carreira na TV e no cinema brasileiro).

Rebel Moon

Estreia: 22 de dezembro

Imagem promocional de Rebel Moon.
Divulgação/Reprodução

Depois da novela envolvendo o Snyder Cut (a versão estendida do filme da Liga da Justiça, lançada em 2020 em preto e branco – e com quatro horas de duração), Zack Snyder deu adeus ao universo da DC Comics e lançou, na Netflix, Army of The Dead (2021), um misto de filme de assalto com zumbis (gênero que o consagrou em 2004, quando fez sua estreia na direção com Madrugada dos Mortos).
O novo filme de Snyder é uma aventura espacial, com orçamento estimado em US$ 90 milhões. Eis a sinopse oficial:
“Um exército comandado pelo tirano regente Balisarius (Djimon Hounsou) começa a ameaçar a paz de uma colônia nos arredores da galáxia, e uma jovem com um passado misterioso chamada Kora (Sofia Boutella) é enviada em busca de guerreiros de outros planetas que possam ajudar a defendê-los.”
A ideia original da história também é de Snyder. Ela nasceu de uma proposta feita pelo diretor à Lucasfilm para um filme (que nunca rolou) do universo Star Wars antes do estúdio ser comprado pela Disney, em 2012. Rebel Moon terá uma segunda parte – ainda sem data de estreia.

Filmes sem data de estreia definida

Maestro

Imagem promocional de Maestro.
Divulgação/Reprodução

Bradley Cooper dirige e estrela esta cinebiografia sobre Leonard Bernstein, um dos mais celebrados maestros e compositores americanos (as músicas de Amor, Sublime Amor, por exemplo, são dele). O foco da história será o casamento de Bernstein com a atriz Felicia Montealegre (Carey Mulligan).
Cooper está bem apadrinhado neste projeto: Martin Scorsese, Steven Spielberg e Todd Phillips são alguns dos produtores do filme. Em 2018, Scorsese havia sido cotado para a direção – mas optou por comandar O Irlandês (2019), também da Netflix. Spielberg também foi considerado para o cargo, mas o ofereceu a Cooper após assistir a Nasce uma Estrela (2018), o primeiro filme dirigido por ele.

Nyad

Continua após a publicidade
Retrato da nadadora Diana Nyad.
Miami Herald/Getty Images

Em 2013, a americana Diana Nyad fez história. Aos 64 anos, ela se tornou a primeira pessoa a atravessar a nado o Estreito da Flórida sem jaulas de proteção contra tubarões. Em pouco menos de 53 horas, Nyad nadou por 177 quilômetros de Cuba até o sul da Flórida, nos EUA – e você aí faltando na academia.
Dois anos depois do feito, Nyad contou a sua história de vida no livro Find a Way, no qual o filme da Netflix se baseia. A produção é estrelada por Annette Bening e deve acompanhar toda a preparação da nadadora (a primeira vez que ela tentou vencer o Estreito da Flórida foi em 1978, 35 anos antes da travessia).

Rustin

Imagem promocional de Rustin.
Divulgação/Reprodução

O americano Bayard Rustin era o braço-direito de Martin Luther King Jr. na luta pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos. Foi ele quem organizou, por exemplo, a Marcha sobre Washington por Trabalho e Liberdade, em 1963. Mais de 250 mil pessoas se reuniram na capital americana e ouviram o mais famoso dos discursos de King (aquele que começa com “Eu tenho um sonho”).
Rustin, contudo, foi por décadas apagado da história por ser gay (e por lutar ativamente pelos direitos da comunidade LGBTQIA+). Mesmo dentro do movimento negro, Rustin sofreu homofobia.
O filme que irá contar a sua história é estrelado por Colman Domingo (A Voz Suprema do Blues) e tem produção da Higher Ground Productions, empresa fundada em 2018 pelo ex-presidente dos EUA Barack Obama e sua esposa, Michelle Obama.
Desde a sua criação, a Higher Ground se aliou à Netflix para distribuir os seus filmes. O primeiro fruto dessa parceria, Indústria Americana (2019), levou o Oscar de Melhor Documentário em 2020. Em 2023, a produtora também lançará na plataforma Leave the World Behind, thriller estrelado por Julia Roberts e Mahershala Ali.

No filme de Wes Anderson (sem título definido)

Montagem com duas fotografias - de Wes Anderson e Benedict Cumberbatch.
David M. Benett/Mike Marsland/Getty Images

O premiado cineasta Wes Anderson(Moonrise Kingdom, O Grande Hotel Budapeste) vai adaptar vários contos do escritor britânico Roald Dahl, autor de clássicos como Gremlins, A Fantástica Fábrica de Chocolate e Matilda – este último rendeu um musical da Netflix em 2022.
Anderson é roteirista e diretor do filme, mas tem a ajuda de Steven Rales e Jeremy Dawson na produção. O elenco é composto por grandes nomes como Benedict Cumberbatch, Dev Patel e Ralph Fiennes.

Carga Máxima

Imagem promocional de Carga Máxima.
Divulgação/Reprodução

Roger (Thiago Martins) é um piloto de corrida de caminhão. Para salvar a sua equipe, que está em uma sequência de maus resultados, ele se envolve com uma quadrilha de roubo de cargas. Abandonar os criminosos, porém, não será nada fácil.
Com Sheron Menezzes e Milhem Cortaz no elenco, Carga Máxima é o primeiro filme de ação brasileiro da Netflix. “Nós queremos ver todos os gêneros sendo feitos na nossa língua, com a nossa cultura, com os nossos tipos de conflito”, disse o diretor Tomás Portella em um vídeo sobre os bastidores do longa:

The Deepest Breath

Imagem promocional de The Deepest Breath.
Divulgação/Reprodução

A italiana Alessia Zecchini está determinada a bater um recorde mundial e se tornar a maior mergulhadora livre do mundo. Para isso, ela conta com a ajuda do irlandês Stephen Keenan, um especialista de segurança neste esporte cujos atletas contam somente com uma máscara de mergulho e o ar de seus pulmões.
A jornada da dupla é o tema do documentário The Deepest Breath (“O respiro mais profundo”, em tradução livre). A equipe do filme mergulhou (rs) nos bastidores de uma comunidade de atletas e procurou homenagear o mundo do mergulho livre. A diretora irlandesa Laura McGann afirmou que foi “a experiência mais inspiradora e recompensadora” de sua carreira.
A parceria de Alessia e Stephen chegou ao fim em 2017, quando o irlandês faleceu enquanto eles mergulhavam no Buraco Azul de Dahab, no Egito. O documentário está em exibição no Festival de Sundance, o principal evento do cinema independente dos EUA. Além da Netflix, outros estúdios que participaram da produção deste documentário foram a A24, Motive Films, Ventureland e Raw.

Monkey Man

Retrato do ator Dev Patel.
Dave J Hogan/Getty Images

O ator britânico Dev Patel conquistou o mundo quando interpretou Jamal Malik em Quem quer ser um milionário (2008). Agora, ele retorna a Mumbai, na Índia, para outro trabalho promissor: Monkey Man, seu primeiro projeto como diretor e também o primeiro em parceria com a Netflix (que adquiriu os direitos do filme em 2021 por U$30 milhões).
O filme de ação e suspense, cujas gravações começaram em dezembro de 2020, conta a história de um homem que encontra um mundo dominado pela ganância corporativa ao sair da prisão – e decide se vingar por tudo que lhe foi roubado no passado. Monkey Man já foi descrito como o “John Wick em Mumbai”, em referência ao personagem da franquia de ação estrelada por Keanu Reeves.

Nimona

Imagem promocional de Nimona.
Divulgação/Reprodução

Por algum tempo, a equipe responsável por Nimona acreditou que a animação nunca veria a luz do dia. Ele estava nas mãos da Blue Sky Studios (o mesmo de A Era do Gelo), que pertencia à Fox – e que virou propriedade da Disney quando a empresa comprou a Fox, em 2019. No ano seguinte, a companhia do Mickey decidiu encerrar o projeto – e foi acusada de censura e homofobia, já que o filme trazia temáticas LGBTQIA+.
Por sorte, a Netflix resgatou Nimona, uma história de fantasia medieval que é uma adaptação da premiada e homônima história em quadrinhos de ND Stevenson, também responsável pela série She-Ra e as Princesas do Poder (também da Netflix). Nimona, dublada por Chloë Grace Moretz, é uma adolescente que muda de forma – e a única pessoa capaz de provar a inocência de um cavaleiro acusado de um crime que não cometeu.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Source link

Comente a matéria: