A nova pesquisa sustenta que um ‘simples’ exame de sangue pode prever o risco de um paciente sofrer um ataque cardíaco fatal nos próximos três anos, avança o jornal Mirror Online

Um exame ao sangue que verificou os níveis de uma proteína-chave – usada como um marcador de inflamação – indicou quem tinha uma maior probabilidade de morrer nos próximos três anos vítima de doença cardíaca, revela um estudo realizado por investigadores do Imperial College London, no Reino Unido. 


Publicidade

A nova pesquisa sustenta que um ‘simples’ exame de sangue pode prever o risco de um paciente sofrer um ataque cardíaco fatal nos próximos três anos, avança o jornal Mirror Online. 

Os cientistas analisaram pacientes que haviam tido um infarto para a proteína c-reactiva, um sinal indicador de inflamação. Adicionalmente, realizaram testes padrão para a troponina, uma proteína libertada no sangue quando o coração está danificado.

Dos 250.000 pacientes envolvidos na pesquisa, aqueles com níveis elevados de PCR e que testaram positivo para a troponina tinham uma probabilidade 35% superior de morrer nos três anos seguintes. 

A descoberta pode salvar milhares de vidas, monitorando de perto os indivíduos em risco e através da prescrição de anti-inflamatórios.

O Dr. Ramzi Khamis, autor do estudo do Imperial College London, disse: “testar para esse sinal de alerta biológico identifica os pacientes mais vulneráveis”. 

Já o professor James Leiper, da British Heart Foundation, que financiou o estudo, acrescentou: “trata-se de uma nova ferramenta valiosa no arsenal dos médicos”. 


Com informações de NM

Comente a matéria: