Alguns marchantes do Mercado Público de Patos estão reclamando de má gestão do Matadouro Municipal e do transporte de carnes que chegam até o mercado de carnes. São vários problemas apontados pelos marchantes, desde problemas na matança de animais até a etapa de distribuição das carnes em diversos pontos em Patos.

Neste domingo, dia 6, um dos representantes dos marchantes, Joselito, que é mais conhecido por Mamulengo entre os comerciantes, procurou a reportagem do Patosonline.com para relatar a falta de gerenciamento em diversas áreas que envolvendo a distribuição e comercialização de carnes em Patos. Ele diz que os marchantes estão sendo prejudicados.


Publicidade

“A nossa dificuldade para trabalhar no Matadouro é grande. A rigorosidade só existe para nós que somos marchantes. Um motorista carrega um carro com 24 bois, mas passam na porta do mercado em direção ao bairro Jatobá, quando voltam de lá já são altas horas da madrugada, para a gente descarregar caminhão, e pra isso não existe rigorosidade. A prioridade é sempre do frigorífico. Eu fretei um caminhão para trazer gado de São José de Espinharas, mas vai ter que voltar por falta de entendimento, e eu vou ter que pagar outro frete”, lamentou Mamulengo.

Joselito afirmou que o mais certo seria entregar as carnes do Mercado Público de Patos e, em seguida, o caminhão distribuiria as carnes nos supermercados, frigoríficos e demais pontos. Ele reclamou de falta de diálogo por parte dos representantes da prefeitura para o setor.

“Esses carros vão para as vilas, supermercados, açougues e frigoríficos, e a nossa carne demora a chegar, e quando chegam já vem ruim porque os caminhões baú não são frigoríficos, chegam estragadas. Tinha que ter algum de bom senso, alguém que entenda e no mercado tem gente experiente para resolver essa situação. Nós pagamos impostos e somos contribuintes no município, n]ao só como marchantes e no matadouro, mas temos funcionários. A perseguição em cima dos marchantes é grande. Muitos dizem lá que não existe prefeito para os marchantes, mas precisamos de mais atenção”, cobrou o representante. 

Os problemas do Matadouro de Patos, são recorrentes e devido às dificuldades lá encontradas, dois agropecuaristas da região, Pierre Landolt e Hércules Sidney Firmino (Siduca), na administração do ex-prefeito, Dinaldinho Wanderley, sugeriu à administração, a construção de um matadouro modelo, para o abate de caprinos e ovinos, obedecendo todos os requisitos próprios de higiene, gerando emprego, renda e produção dos derivados dos animais como, couro, chifres e ossos.

Algumas reuniões foram desenvolvidas com a secretária de saúde, Andressa Lopes e o secretário de agricultura, João Paulo Medeiros, onde, junto com o setor de engenharia, elaboraram o projeto que acabou não tendo continuidade, devido ao afastamento do prefeito Dinaldinho pela justiça.

Seria uma obra para alavancar o comércio de carne e derivados na região.

Veja imagens de umas dessas reuniões:

Da redação blogdonegreiros1.com com patosonline

Comente a matéria: