Em todas as viagens que faço ao passado, são sempre pouquíssimos os que creem no fato de ser eu, sim, um Viajante do Tempo, vindo de 2022. Mas é desses que tento extrair uma resposta: sobre se em suas épocas também tínhamos (ou têm-se) a sensação de que o mundo está andando pra trás… Será? Deixei o século 21 em meio a uma ‘eleição’, algo que já é de conhecimento de muitos de vocês, queridos leitores e queridas leitoras de 1902, pois em março deu-se a quarta disputa presidencial em nosso país, a primeira de forma ‘direta’, levando Rodrigues Alves ao poder. Os pleitos (votações) para cargos importantes da instaurada República ganharão, creiam-me, caráter universal – um direito de todos que revelará a vontade da maioria e, justamente por isso, vão gerar esses momentos com a falsa impressão de que estamos retrocedendo.

Assine #PLACAR a partir de R$ 9,90/mês. Não perca!

Mas não. Se de fato, por alguma espécie de ‘imantação histórica’, marcos importantes se atraem e aglomeram-se ao redor das passagens de século, tivemos ontem, nesse aprazível 3 de maio do segundo ano do Século 20, ótimo exemplo disso: o primeiro confronto de futebol (do qual todos já devem ter ouvido falar) entre dois clubes, a Associação Athlética Mackenzie College e o Sport Club Germânia, no Campo do Parque Antártica Paulista. E se lá estive, justifico, foi para testemunhar o “primeiro gol oficial da história do Futebol Brasileiro”. Qual a importância disso? Parece ter nenhuma, mas, soubessem vocês a dimensão do ‘Futebol’ daqui a 120 anos, no Brasil e no Mundo, atestariam que tudo está andando pra frente, sempre. Principalmente quando nem nos damos conta, nos pequenos detalhes. Só o tempo nos faz enxergar o avanço contínuo e pra melhor da Humanidade. O papo é sério mesmo.

Ontem deu-se um passo importante rumo ao Amanhã. O primeiro gol oficial por aqui daquele que será o esporte mais amado do Planeta. No jogo (outros textos deste Diário – que cordialmente acolheu minha resenha – tratarão do ocorrido), vestido com camisa vermelha, mangas e calções brancos cumpridos, o Sr. Mario Eppingaus, jogador do Mackenzie, teve a honra de assinalar o ‘primeiro gol oficial’ no Brasil, já que a peleja encerrou a fase de amistosos e inaugurou a primeira competição entre associações que incluem o futebol entre suas atividades esportivas.

Deu-se o marco histórico ainda na primeira metade do jogo, que terminou com a vitória, de 2 gols contra 1, do clube alvirrubro (fundado há quatro anos, em 18 de agosto de 1898) sobre a equipe de azul e preto do Germânia. O torneio, que reúne ainda os clubes Paulistano (cuja dissidência levará à criação do futuro ‘São Paulo’), Sport Club Internacional (formado basicamente por imigrantes europeus) e o São Paulo Athletic Club (do já famoso Charles Muller), todos integrantes, desde dezembro último, da ‘Liga Paulista de Foot-ball’, é o embrião do que, no futuro, conheceremos como Campeonato Paulista de Futebol, ou “Paulistão”, para os mais íntimos – torneio que ainda existirá em 2022 mas terá como protagonistas outras agremiações da cidade de São Paulo.

Os jogadores da Associação Athlética Mackenzie -
Os jogadores da Associação Athlética Mackenzie – Reprodução/Reprodução

Também existirão, saibam, campeonatos no Rio e em todos os cantos do país. Sim, o chamado ‘Futebol’, há menos de uma década entre nós, vai se expandir mais que as linhas de bondes que já atravessam as grandes cidades. E sem oferecer risco como o fortalecimento contínuo da Tríplice Aliança, formada por Alemanha, Itália e Áustria – fiquem atentos a isso! O Futebol, com esta nova grafia, fará a vida mais divertida e será a “Alegria do Povo!”, aguardem…
Este curioso ano de 1902, queridos leitores e queridas leitoras, traz em si um certo aroma que me remete a outra passagem de século que já vivi – daqui a 98 anos. Confuso, né? São muitas as novidades por aí… E o aumento das imigrações, assim como a Febre Amarela, são fatos que mais uma vez podem fomentar a crença num mundo que está piorando em vez de melhorar. Pois deixo aqui mais uma revelação do futuro: existirão bólidos com os quais dominaremos os céus, cruzando até mesmo o espaço. E mesmo vocês ainda não conhecendo a palavra, sugiro que guardem esta frase que será comum em meados de 2022: “Foguete não dá ré!”.

O Mackenzie parecia mesmo um ‘foguete’ ontem, atuando com muito mais força e velocidade do que seu adversário. Ainda no primeiro ‘half-time’, o Sr. Kirschner empatou a partida, mas outro distinto paulistano, o Sr. Alício de Carvalho marcou, já na segunda metade da partida, um segundo tento, sacramentando a vitória do Mackenzie, equipe formada pelos estudantes da Universidade de mesmo nome. E aos que não estiveram lá, registro que não era acanhado o número de famílias que compareceram ao Campo para acompanhar a disputa. No próximo século, infelizmente, a presença de grupos familiares nas plateias será mais rara.

Mesmo assim, reitero: o mundo estará seguindo para melhor. Mesmo quando não for o que parece. Emoções não faltaram – e é esta a característica e a causa do futuro sucesso do futebol. Um dos melhores jogadores do Germânia – clube que, a propósito, terá que, por decorrência da tal Tríplice Aliança, ser rebatizado como ‘Clube Pinheiros’ –, o Sr. Muss, teve uma queda que o fez deixar o campo. Mas um acerto das equipes permitiu a entrada de um substituto. Como prova de minha condição de ‘Viajante do Tempo’, reproduzo aqui o que dirá, ainda hoje, sobre a peleja, o prestigiado jornal ‘O Estado de S. Paulo’: “O team do Mackenzie tem muito mais velocidade que seu concorrente e, devido a isto, do começo ao fim, a bola manteve- se mais favorável ao Mackenzie (…)”.

Concordo com a análise, mas apesar do gol histórico – alerta de ‘spoiler’! –, não será o Mackenzie, de Higienópolis, e sim o São Paulo Athletic Club a vencer o torneio. O Mackenzie, aliás, jamais será campeão paulista de ‘Fut-Ball’, mas um reencontro comemorativo entre Mackenzie e Germânia se dará daqui a 100 anos, batizado de ‘O Jogo da Saudade’, vindo a acontecer nova vitória dos alvirrubros, por 3 x 2. Já sobre os atletas ontem em campo. o mais famoso, e cuja a mão tive a honra de apertar, será o zagueiro Belfort Duarte, que, pela fidalguia, batizará um prêmio dado aos mais leais no esporte. E, sinto informar, pouco ou nada se falará do primeiro artilheiro, o Sr. Mario Eppingaus, no futuro.

Continua após a publicidade

Uniforme da Associação Athlética Mackenzie em 1902 -
Uniforme da Associação Athlética Mackenzie em 1902 – Reprodução/Reprodução

O quase esquecimento deve-se em grande parte ao grande número de marcos no novo esporte, trazido pelos ingleses ao nosso país. Teremos, por exemplo, o ‘primeiro gol no profissionalismo’ (não disse que tudo só avança?), que Friedenreich (anotem este nome!) alcançará daqui a 31 anos, em 12 de março de 1933 – num São Paulo (o dissidente) 5 x 1 sobre o Santos F. C., equipe do litoral do estado; e, antes disso, o primeiro tento da Seleção Brasileira de Futebol (sim, existirá) em um torneio reunindo escretes de vários países, a ‘Copa do Mundo’: Preguinho, do Fluminense, o que se dará em 1930. Sem falar em marcos mundiais, como o primeiro de todos os gols da história; o ‘primeiro gol em copas’, o ‘primeiro gol de bicicleta’ (essa não terei como explicar sem estragar a novidade); e até o primeiro ‘gol contra’ do Brasil em Copas, que acontecerá em 2014, aqui mesmo, na ‘terrinha’.

Como se vê, ser ‘o primeiro’ no Futebol terá seus méritos mas não marcará o Amanhã de forma inapelável. Já na tal ‘eleição democrática’, da qual já lhes falei, queridos leitores e queridas leitoras de 1922, quem vier a ser ‘o primeiro’, o ‘mais votado’, terá sim grande impacto nas nossas vidas e na nossa crença num futuro melhor. Mas também não decidirá por completo e de forma definitiva o porvir. No fim, sempre encontraremos a rota para o destino que sonhamos. Repetindo o mantra: “Foguete não dá ré!”. Com um detalhe importante. Para alcançar os nossos melhores e mais dignos objetivos, temos que fazer como o time do Mackenzie: acelerar! Que venha a nós o ‘Futebol’! E outras mudanças!

PARA VER UNIFORME DE CLUBES PAULISTANOS NO INÍCIO DO SÉCULO 20

https://www.verminososporfutebol.com.br/viagem-no-tempo/propaganda-de-1912-mostra-os-uniformes-dos-times-do-campeonato-paulista/

FICHA TÉCNICA
MACKENZIE 2 x 1 GERMÂNIA

Competição: Amistoso (‘Falsa Final da Copa de 1902’)
Data: 3 de maio de 1902
Local: Campo do Parque da Antarctica Paulista
Horário: 15h
Árbitro:  Antônio Casimiro da Costa

MACKENZIE: Rehder, Belfort Duarte e Warner; Sampaio, Alício de Carvalho e Lourenço; Yelrd, Eppingaus, Pedro Bicudo, Armando Paixão e Lopes

GERMÂNIA: Brasche, Riether e Nobiling; Kawwal, Baumann e Muss; Linz, Russo, Kirschner, Nicolau Gordo e Hinghehardt

Gols: Primeiro Tempo: Eppingaus (Mackenzie), Kirschner (Germânia); Segundo Tempo: Alício de Carvalho (Mackenzie)

Ainda não assina Star+?! Clique aqui para se inscrever e ter acesso a jogos ao vivo, séries originais e programas exclusivos da ESPN!

Continua após a publicidade



Source link

Comente a matéria: