O convênio deve proporcionar invenções e pesquisas científicas que vão gerar aplicabilidade imediata para a agropecuária orgânica no sertão paraibano

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) iniciou um diálogo com os gestores da fazenda Tamanduá, localizada no município de Santa Terezinha-PB e pioneira no setor orgânico e na agricultura biodinâmica na Paraíba, visando o estabelecimento de uma cooperação de mútuo interesse para intercâmbio científico e tecnológico em diversas áreas de conhecimento, como por exemplo agronomia, agropecuária, inteligência artificial, energias renováveis, dentre outras.

Na manhã desta terça-feira (29), o proprietário do empreendimento, Pierre Landolt, e o Diretor Financeiro, Rinaldo Pereira, foram recebidos, no gabinete da Reitoria, pelo Reitor da UFPB, Prof. Valdiney Gouveia, e pelos professores Sandro Marden, coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Materiais (NEPEM) e presidente da Agência de Cooperação Internacional (ACI) da UFPB, Fernando Perazzo, Pró-Reitor de Pós-Graduação, e Lucídio Cabral, Diretor do Centro de Informática. Os empresários visitaram laboratórios da Instituição, onde foram recebidos também pelo Prof. Marçal Rosas, Vice-diretor do Centro de Energias Alternativas e Renováveis.

Publicidade

De acordo com o Reitor Valdiney Gouveia, a UFPB e a Fazenda Tamanduá dialogaram não apenas sobre a possibilidade de convênio, mas também visando concorrer a editais públicos com aplicação na agricultura. “Temos pessoal trabalhando tanto na engenharia como na agronomia e na informática para tentar, conjuntamente, pensar em soluções, em ações concretas que potencializem a aplicação do conhecimento, neste caso concreto na Fazenda Tamanduá, que já é uma referência na Paraíba e no Nordeste, um exemplo de ações de sustentabilidade no âmbito da agricultura”, disse o Reitor.

A Fazenda Tamanduá é reconhecida regionalmente pela inovação e pela exploração sustentável da produção, o que motivou o contato entre a UFPB e os produtores, com o intuito de contribuir para o desenvolvimento regional, utilizando o acervo de competências técnicas, científicas, de laboratórios e a diversidade de mecanismos que a Universidade tem para ajudar as demandas.

Sandro Marden explicou que a Fazenda Tamanduá tem demandas específicas extremamente voltadas à produção de alimentos, à agroindústria, e que a UFPB possui as ferramentas e pesquisadores que podem colaborar. “A gente tem como responder essas demandas, mas também criar outras estratégias de colaboração na área de formação de recursos humanos, integrar uma rede de pesquisadores em diversos temas nas áreas de materiais, energias alternativas, zootecnia, agronomia, então, de fato, é uma diversidade de possibilidades”, disse o docente. Segundo o Prof. Sandro Marden, a parceria é importante para a UFPB pois as invenções e pesquisas científicas geram desenvolvimento imediato, “encurtando o período entre a descoberta e a implementação de soluções que podem potencializar o desenvolvimento regional”.

De acordo com o empresário Pierre Landolt, a Fazenda Tamanduá é, hoje, o maior organismo agrícola com visão biodinâmica do Brasil, um setor em crescimento. A expectativa do contato com a UFPB é a de possibilitar o embasamento científico a todos os processos desenvolvidos na Fazenda, localizada no Sertão da Paraíba, abrindo as portas para a realização de pesquisas e recepção aos alunos. Além de visitar o campus I, o empresário também deseja conhecer os trabalhos de pecuária e agricultura desenvolvidos no campus II, em Areia.

Pierre Landolt acredita que o encontro realizado na Reitoria foi um primeiro passo para uma oportunidade de importante colaboração entre a Instituição e o empreendimento.  “Já sabemos que nós temos alguma coisa original para desenvolver aqui nessa parte de inteligência artificial, eu acredito que é uma bela oportunidade de se pensar em formação e treinamento através da IA, sem falar do melhoramento do processo produtivo, e acho que tudo isso é uma bela oportunidade”, disse Landolt.

Para o empresário, os princípios da sustentabilidade podem ser empregados em qualquer área de estudo. Na Fazenda Tamanduá, há o trabalho de agropecuária em um sistema integrado no qual todas as atividades são realizadas pensando na melhoria do meio ambiente, desde a produção do próprio composto, o adubo, até a agricultura biodinâmica com a produção de mangas e melões, produção de spirulina e pecuária orgânica, com bovinocultura de leite e caprinocultura de corte.

Segundo o diretor financeiro da Fazenda, a produção biodinâmica gera produtos ambientalmente melhores no sentido de proteção ao meio ambiente e com qualidade superior aos produtos convencionais.

“Nossa intenção é abrir as portas da Fazenda Tamanduá para a Universidade a fim de que possamos levar pesquisadores lá para desenvolver possibilidades, estudos, melhorar os nossos produtos e o aspecto acadêmico dos alunos. Temos diversas possibilidades na área agrícola, de caprinos, de bovinos, de ovinos, o leque é muito grande, há espaço para todos os centros universitários”, disse Rinaldo Pereira.

O Reitor da Universidade, Prof. Valdiney Gouveia, aponta algumas possibilidades de soluções para a agricultura que podem ser proporcionadas pelo convênio. “É possível soluções para agricultura em âmbitos diversos, como, por exemplo, testagem do sabor, comprovação de maturação de determinados frutos, então existem diversas ideias que estão sendo discutidas entre nossos professores e outros serão somados a esse grupo para que tenhamos uma ação conjunta naquele espaço concreto”, explicou o Reitor.

Reportagem: Elidiane Poquiviqui

Edição: Aline Lins

Fotos: Elidiane Poquiviqui

By Marcelo Negreiros

Jornalista militando na profissão desde 1985, trabalhando nas TVs Paraíba e Cabo Branco, afiliadas Rede Globo na Paraíba, durante 15 anos. Diplomado em 2001 pelas Faculdades Integradas de Patos.

Comente a matéria: