O ex-presidente Lula desagradou a comunidade LGBT+, durante uma entrevista ao Flow Podcast. Ao discorrer sobre supostas fake news produzidas contra si, o petista disse: “As coisas absurdas que eles inventam todos os dias não têm critérios. Eles são capazes de dizer que você nasceu mulher e, depois, virou homem. São capazes de dizer que vacas voam e que cavalo tem chifre”.

Nas redes sociais, esquerdistas criticaram a declaração. “Sou trans e votei em Lula no primeiro turno, mas, após esse episódio de transfobia no Flow, refleti muito e decidi que vou votar em Bolsonaro”, escreveu um internauta chamado Bianca, no Twitter. “Não há dúvidas de que Lula foi transfóbico”, tuitou outra usuária da plataforma. “Bateu um desgosto”, manifestou-se outra pessoa.

“Dilma foi pelo mesmo caminho, quando disse que ‘não faria propaganda de orientação sexual’, e estamos vendo o reflexo disso”, publicou a Associação Nacional de Travestis e Transexuais. “Agora, novamente, teremos que aturar o mau uso do que Lula disse, de forma altamente descuidada, contra nós.”

Enquanto ocorria a entrevista, a hashtag “Lula transfóbico” ficou nos trending topics do Twitter.

Antes da entrevista, Lula manifestou-se contra banheiros unissex, uma das reivindicações da comunidade LGBT+. “É um absurdo”, disse o petista. “Sou pai de cinco filhos, tenho uma neta. Não faz sentido. E os caras contam isso dentro de uma igreja. Igreja é lugar de fé, não de fazer campanha.”

Leia também: “Agressões gratuitas”, reportagem publicada na Edição 92 da Revista Oeste

Source link

Comente a matéria: