O PSDB vai promover a partir de terça-feira 24 uma campanha na tentativa de vender as “novas lideranças” do partido eleitas em 2022. A principal intenção é se posicionar como uma alternativa aos brasileiros.

Na peça publicitária, o partido coloca os três governadores eleitos, além do presidente tucano, Bruno Araújo, para pregar que é “hora de diálogo” na política.

“Não é arrastando para nenhum dos lados que os desafios do Brasil irão desaparecer. É preciso liderança, gestão e compromisso com a democracia”, afirmou o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Ele assumirá o comando nacional do PSDB em fevereiro.

Também aparecem na campanha a governadora do Rio Grande do Sul, Raquel Lyra, e o governador Eduardo Riedel, de Mato Grosso do Sul. “A hora é de diálogo, para resolver os problemas mais urgentes das famílias brasileiras”, observou Lyra.

“Os programas mostram que o partido é formado por quadros administrativos competentes, efeitos ao diálogo e surgem como alternativa a um país muito dividido”, anunciou a legenda na divulgação da campanha.

Novo presidente do PSDB

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, vai assumir o comando da legenda em fevereiro. O anúncio foi feito no fim de novembro pela sigla. “No dia 2 de fevereiro, com a posse do novo Congresso, iniciaremos os trabalhos da nova Executiva Nacional do PSDB”, informou o partido, na época. “A presidência do partido será transmitida ao governador eleito do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.”

Depois do resultado das eleições de 2022, o PSDB anunciou que buscaria um processo de renovação interna. A legenda decidiu não lançar um candidato à Presidência da República pela primeira vez desde a redemocratização. Leite disputou as prévias do PSDB e acabou derrotado por João Doria, em novembro de 2021. Mesmo assim, manteve a intenção de concorrer ao Palácio do Planalto e renunciou ao governo do Rio Grande do Sul.

Leia também: “O melancólico fim da terceira via”, reportagem de Silvio Navarro publicada na Edição 103 da Revista Oeste





Source link

Comente a matéria: