A mais nova frota de satélites da SpaceX está saindo de órbita após ser atingida por uma tempestade solar.

Até 40 dos 49 pequenos satélites lançados na semana passada entraram novamente na atmosfera e queimaram, ou estão prestes a fazê-lo, disse a empresa em uma atualização online na noite de terça-feira.

A SpaceX disse que uma tempestade geomagnética na sexta-feira passada tornou a atmosfera mais densa, o que aumentou o arrasto nos satélites Starlink, condenando-os efetivamente.

Publicidade

 Os controladores terrestres tentaram salvar os satélites compactos de tela plana, colocando-os em um tipo de hibernação e voando-os de forma a minimizar o arrasto. Mas a atração atmosférica era muito grande e os satélites não conseguiram despertar e subir para uma órbita mais alta e mais estável, de acordo com a empresa.

A SpaceX ainda tem cerca de 2.000 satélites Starlink orbitando a Terra e fornecendo serviço de internet para cantos remotos do mundo. Eles circundam o globo a mais de 340 milhas (550 quilômetros).

Os satélites atingidos pela tempestade solar estavam em uma posição temporária. A SpaceX os lança deliberadamente nessa órbita incomumente baixa para que qualquer insucesso possa reentrar rapidamente na atmosfera e não represente ameaça a outras espaçonaves.

Não há perigo desses satélites no solo, de acordo com a empresa.

Cada satélite pesa menos de 575 libras (260 kg).

A SpaceX descreveu os satélites perdidos como uma “situação única”. Essas tempestades geomagnéticas são causadas por intensa atividade solar, como explosões, que podem enviar fluxos de plasma da coroa do sol para o espaço e para a Terra.

Desde o lançamento dos primeiros satélites Starlink em 2019, Elon Musk prevê uma constelação de milhares de outros satélites para aumentar o serviço de internet. A SpaceX está tentando ajudar a restaurar o serviço de internet para Tonga por meio dessa rede após a devastadora erupção vulcânica e o tsunami.

A OneWeb, com sede em Londres, tem seus próprios satélites de internet lá. E a Amazon planeja começar a lançar seus satélites ainda este ano.

Os astrônomos estão angustiados com o fato de essas mega constelações arruinarem as observações noturnas da Terra. A União Astronômica Internacional está formando um novo centro para a proteção dos céus escuros.


Comente a matéria: