A Polícia Federal (PF) realizou nesta sexta-feira, 21, a Operação Cinza contra uma suposta organização criminosa que estaria falsificando os registros de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CACs) para vender armas de fogo.

A ação da PF cumpriu quatro mandados de prisão preventiva e 37 mandados de busca e apreensão em Pernambuco, Alagoas e São Paulo. Os crimes investigados ocorreram em Caruaru (PE).

Conforme a PF, a organização usava perfis nas redes sociais para divulgar a venda das armas e fazer conteúdos que incentivavam o uso dos objetos. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados pela polícia. Bloqueios de dinheiro também foram realizados pela PF, o valor não foi divulgado.

Na cidade de Maceió, a operação aconteceu em uma loja de armas, onde os policiais apreenderam um computador e alguns documentos. Um funcionário da empresa foi preso, pois tinha um mandado de prisão da Justiça de Pernambuco. Ele é ex-funcionário de um clube de tiros investigado em Caruaru.

Armas de fogo apreendidas pela PF durante a Operação Cinza nesta sexta-feira, 21 | Foto: Divulgação/Polícia Federal

A Operação Cinza foi iniciada a pedido da Justiça de Caruaru, depois de uma representação da PF e do Ministério Público Federal. A polícia identificou a articulação do grupo como uma organização criminosa que produzia documentos falsos para “viabilizar e dar aparência de legalidade tanto ao comércio, quanto ao porte ilegal de armas de fogo”.

A Justiça ainda determinou o bloqueio de 14 páginas na internet que “disseminavam conteúdos ilegais”. Os suspeitos podem responder pelos crimes de falsidade ideológica, pertencimento a organização criminosa, uso de documento falso, porte ilegal de arma de fogo, comércio ilegal de arma de fogo, entre outros. Somadas, as penas podem chegar até 30 anos de prisão.

Source link

Comente a matéria: